Exames

RENINA
Nome: RENINA

Sinonímia: Atividade Plasmática de Renina, Angiotensina I.

Norma de Coleta: Jejum não necessário. Coletar em repouso de 30 min., ou após 2 horas em pé. Anotar uso de diuréticos, anti-hipertensivos ou dieta hipossódica. Informar se a coleta foi realizada em pé ou deitada, conforme solicitação médica.

Valor de Referência:

Dieta normossódica

Deitado: 0,2 a 2,8 ng/mL/h

Em pé: 1,5 a 5,7 ng/mL/h

Método: Radioimunoensaio cinético

Instrução de Coleta: Coletar 2,0 ml de plasma com EDTA. Para coletar o basal o paciente deverá ficar em repouso por 30 minutos. Congelar a amostra rapidamente. Separar o plasma em centrífuga refrigerada.

Interpretação Clínica: A renina é uma enzima proteolítica produzida quase exclusivamente pelos rins, no aparelho justaglomerular. É importante para os mecanismos de controle das trocas de sódio e transporte de água (básicos no complexo sistema de regulação do volume sanguíneo e da pressão arterial). A dosagem plasmática é importante no estudo da hipertensão arterial, diagnóstico de hiperaldosteronismo primário, secundário, diagnóstico dos tumores secretores de renina, avaliação de hipotensão arterial.
RUBÉOLA - ANTICORPOS IGG/IGM
Nome: RUBÉOLA - ANTICORPOS IgG/IgM

Sinonímia: Sorologia para rubéola

Norma de Coleta: Jejum mínimo de 4 horas, ideal de 8 horas.

Valor de Referência: UI/mL

Anticorpos IgG            .

Não-reagente: Menor que 10,0

Indeterminado: 10 a 15

Reagente:  Maior que 15,0

Método: Quimioluminescência

Anticorpos IgM

Não Reagente

Método: Ensaio Imunoenzimático

Instrução de Coleta: Coletar 1,0 mL de soro. Congelar a amostra.

Interpretação Clínica: Exame útil no diagnóstico da rubéola e na avaliação pré-natal de mulheres com intenção de engravidar. A presença IgG indica imunidade adquirida e de IgM indica infecção aguda.
RESTRIÇíO HÍDRICA
Contra-indicações: Não há.

Interferente: Não há

Preparo do paciente:                     
- véspera do exame: acesso livre a água
- dia do exame: desjejum leve, não tomar café, chá, chocolate, não fumar
- mulher: não estar menstruada; caso esteja, usar tampío vaginal.

Coleta:      
- Dosar osmolaridade plasmática e osmolaridade urinária em todos os tempos. 
1ª parte 2ª parte 
(DI central X nefrogênico) 
Coletar sangue e urina
Controle do peso; iniciar restrição hídrica Administrar DDAVP (0,2 ml intra-nasal)
Liberar ingesta hídrica 
Após 1 hora: Coletar todo o volume da diurese.
Controle do peso Após 1 hora: Coletar sangue e urina 
Após 1 hora: Coletar todo volume da diurese.
Controle do peso Fim da prova 
Continuar o mesmo procedimento a cada hora até perda de 3% do peso corporal (ou intervalo de oito horas)

Fim da 1ª parte
Interpretação: 

1ª parte: normal: osmolalidade urinária > 600 mOsm/kg, osmolalidade plasmática: < 300 mOsm/kg;  redução do fluxo urinário: 0,5 mL/min.
diabetes insipidus total: osmolalidade urinária < 270 mOsm/kg, osmolalidade 
plasmática > 300 mOsm/kg 
2ª Parte:
Osmolalidade Urinária (mOsm/Kg) Diagnóstico 
Após desidratação Após DDAVP
> 750 > 750 Normal 
< 300 > 750 DI central 
< 300 < 300 DI nefrogênico 
300 -750 < 750 DI central parcial, DI nefrogênico ou polidipsia primária 
Descrição: a restrição hídrica tem sido usada com o objetivo de diagnosticar deficiência de hormônio antidiurético (ADH-antidiuretic hormone), ou seja, o diabetes insipidus (DI) verdadeiro.